meu entulho querido

notes

o método científico não pode ser aplicado senão numa meia dúzia de casos, e no entanto ei-nos aqui, pensando nele para tudo.

“formule hipóteses e teste-as independentemente”, “obtenha uma quantidade de dados estatisticamente significante”, teste, colete dados, mensure.

não é que de repente todo mundo resolveu calcular desvios-padrão, mas sim que é comum, para as pessoas mais cultas, nível Freakonomics, acharem que têm que testar e coletar dados, e nunca jamais confiar na sua “intuição” ou, pior, num raciocínio que pode parecer certo, mas na verdade é enormemente enganador.

sim, é verdade que raciocínios com explicações aparentemente sensatas nos são apresentados todos os dias – para um exemplo fácil é só imaginar um comentarista de jornal, ou até uma matéria inocente de jornal, aliás, melhor pensar num comentarista da GloboNews --, e sim, é verdade que a maioria dessas explicações é falsa.

o que está errado é achar que só o que vale é testar hipóteses. você não pode testar a explicação aparentemente sensata que o taxista te fornece sobre a crise brasileira, deve então anotá-la para testar depois? mantê-la para sempre no cabedal das teorias ainda por testar?

e a explicação das redinhas que economizam água quando instaladas na torneira? essa dá pra testar, então você vai comprar um relógio de água e deixar a torneira ligada lá 5 horas com a redinha, depois 5 horas sem a redinha? obviamente não vai funcionar se você abrir o mesmo tanto, você vai precisar de um critério melhor: a satisfação da pessoa que está lavando as mãos com o resultado final versus a quantidade de água gasta. daí você precisaria de muitas pessoas, mas satisfação é uma coisa imensurável, nem adianta tentar fazer entrevistas antes e depois com as pessoas. o certo então, é o quê? procurar um estudo científico publicado numa revista de qualidade (porque tem aquelas revistas que aceitam estudos gerados por computador, então é melhor tomar cuidado) que fala sobre redinhas? como saber se a redinha é a mesma que você comprou? e agora que você já comprou, o resultado do experimento importa? (claro: pode ser que a redinha faça gastar mais água, você nunca saberá até que faça o experimento).

por que não, ao invés de condenar todos os raciocínios como enganadores e mandar que as pessoas façam experimentos científicos, ensinar a fazer raciocínios certos?